Archive for Agosto, 2012

30 de Agosto de 2012

Uma noite de arromba!

Com abraço ao Nuno Dempster, aqui reproduzimos o seu texto sobre o nosso Ficas a dever-me uma noite de arromba, do António Cabrita (colecção azulcobalto 001):

«Já escrevi neste blogue sobre António Cabrita, a propósito do seu livro de poesia Não se Emenda, a Chuva. Está aí descrita a sua actividade multímoda e a condição de escritor emigrado em Moçambique.Desta vez, trata-se da colectânea de contos em título, todos de ambiência moçambicana. Publicou-a este ano Companhia das Ilhas, uma nova editora que foi fundada, também este ano, por Carlos Alberto Machado no arquipélago onde nasci. Hoje a distância permanece, mas não permanece a sua impossibilidade e o seu silêncio. Uma ilha, neste caso a do Pico, já não é exclusivamente um pedaço de terra cercado de mar e céu por todos os lados. Poderia sediar-se no Corvo, que cumpria a função a que se propôs, editar géneros de difícil publicação, poesia, teatro, conto, em livros de pequeno tamanho e preço, com uma qualidade gráfica esmerada.

Mas passemos ao que vim. É logo deste jeito que começa o primeiro conto:

“A linguagem é traiçoeira mas permite-nos recortar o inexprimível e contar como o Zibelina bateu com os ossos no céu. Embutido na transparência azul. Bastou um tiro com uma carabina para caça grossa.” 

Não sei se por minha leitura e, portanto, posterior enlace meu, se, de início, por intenção do autor, o certo é que este primeiro parágrafo me parece conter a ironia que germinará, em tons diversos, nos demais contos, mesmo os que tratam de casos de morte, curiosamente o primeiro e o último na arrumação do livro. São inúmeros os exemplos do que afirmo. Além da surpresa de tão saboroso começo, refiro duas ocorrências da ironia a que aludo, estas bastam, mais seria povoar o texto de citações, o que só dá jeito a quem escreva à linha e tenha de as preencher todas.

Um é o nome da personagem central do belo conto Yes, We Can, Ulisse, um nome tão saboroso como o caso de Zebelina que bateu com os ossos no céu. Ulisse é uma ironia bonacheirona, numa história que ressuma empatia com a personagem central do conto, servindo-se o autor da literatura do fantástico para lhe dar o final, caso único no livro. Aquela ironia solidária transforma-se em solidadriedade com a explicação do nome, que poderia ser apenas de Ulisses no singular (o sintagma em itálico é meu), sabendo nós que os africanos de língua portuguesa substituem muitas vezes o plural pelo singular. Não é o caso. É uma descida ao fundo escuro da humanidade:
Aos quatro meses da gravidez, moída pela pancada do pai, a mãe escreveu-lhe e o grego respondeu-lhe  numa linha: “Chama-lhe Ulisses”. Com as lágrimas a mãe debotou o «ésse» final e ficou Ulisse.”
Esta descida ao gelo humano, de convivência com a ironia, não é única no livro. É um jogo que talvez aligeire o peso a uma leitura distraída, mas na leitura atenta funciona como funcionaria o sarcasmo, de que o autor não se serve em todo o livro, provavelmente assim o rodeando como excesso de denúncia.
A outra citação pertence ao conto O Sagui e a Estrela de Cinema:
“Até o carácter dos realizadores, que hoje, com espalhafato, matavam e esfolavam, e amanhã se desdobravam em sorrisos e gentilezas,numa rotação de 489 graus
Não existe tal rotação em geometria, e ao autor não bastou o máximo dos 360 graus para tornar a ironia suficientemente mordaz, a ironia da reviravolta em imagem ridicularizante por caricatura, a rotação e meia, mais nove graus, daqueles que já nem vendem a alma ao diabo, nem sequer a hipotecam, porque a perderam ou nunca a tiveram.
O autor, no conjunto do livro, assume em geral uma postura de bonomia arguta, mas não displicente perante o mundo que narra. Pelo contrário, é visível, porque central, o interesse umas vezes crítico, de outras caloroso e afectivo pelo humano, através do olhar da memória recente e da imaginação com que cria, sem permitir concessões ao folclore do invulgar fácil e sem a recusa de evitar descer aos últimos círculos do Inferno da maldade da espécie, que é universal, e sempre espanta, sem que isso se torne no dito folclore, ou passe por cima da realidade social e política que rodeia o autor e o faz ser testemunha de uma sociedade que, como a portuguesa de hoje, é espoliada herdeira de sonhos justos, depressa desviados por toda a espécie de arrivistas e ladrões. No entanto, o autor não escreve segundo o discurso dos altifalantes ou dos recados sub-reptícios dos mass media, mas no fluir independente da trama que nenhum taxinomista poderia classificar dentro do estreito hemiciclo de metade de uma bússola.
É uma prosa clara e viva, com o brilho da súbita inventiva, vejam-se, entre outros exemplos, as hipálages “para amparar o busto da tristeza,”, “de súbito, num congelamento, o grosso das pessoas calou-se”. Fazem-me lembrar, noutro século, o “cigarro pensativo” de Eça, mas também, enquanto figura de estilo, a própria ironia acima referida dá vida e confere criatividade à prosa. Os parágrafos são em geral pouco extensos, e os diálogos, equilibrados, em discurso directo ou indirecto, usando neles, muito pontualmente, a fala urbana, creio que de macondes:
 “– Mbate, sou eu, o Artur… ya brada, tudo bem… e a cunhada como vai?… como? Mulher é fogo… Mano, lhe telefono porque limpei o sebo a um traficas, o man tem na mochila dois fetos de elefante…” 
A parcimónia neste tipo diálogos é uma questão de bom gosto, de fuga à profusão da novidade fácil que agrada ou fizeram que agradasse às maiorias consumidoras de livros, e que se torna, pela pouca ocorrência desses diálogos, uma forma de fazer sobressair esses mesmos diálogos, afinal equilíbrio e jogo estéticos numa literatura que, antes do mais, é realizada por um europeu não confundir com a CE…  que transportou aos ombros, para Moçambique independente, a sua própria cultura. Daí a sabedoria da narrativa do ponto de vista de um autor português e a exacta medida formal na descrição dos ambientes e gente de Maputo, também, sem dúvida, um dos seus valores, entre os mais que exigem a leitura de Ficas a Dever-me Uma Noite de Arromba
Anúncios
26 de Agosto de 2012

CAM na Portugal zero, Brasil

Lido agora no blogue da editora Oficina Raquel, do Brasil: «A editora Oficina Raquel afirma-se cada vez mais como uma grande divulgadora da literatura portuguesa no Brasil. No contexto do Ano de Portugal no Brasil, que terá início em setembro de 2012, a Oficina editará quatro títulos. (…) Os outros dois títulos são de poesia: Carlos Alberto Machado e João Luís Barreto Guimarães, destacados poetas portugueses, dão continuidade, nos primeiros meses de 2013, à coleção Portugal, 0, coordenada pelo editor da Oficina e também professor de literatura portuguesa da UFF Luís Maffei. Desde 2007, Portugal, 0 edita no Brasil nomes destacados da poesia portuguesa recente, e já lançou, desde então, cinco títulos, o último dos quais dedicado à poesia do exitosíssimo valter hugo mãe. A coleção é sinal de que a Oficina Raquel se interessa pela literatura portuguesa há mais tempo que uma moda. Os livros editados no contexto do Ano de Portugal no Brasil pela Oficina têm apoio da DGLB, Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas.»

21 de Agosto de 2012

Estamos aqui

Quem desejar adquirir as nossas edições (livros, postais, notebooks) pode fazê-lo com vantagem na nossa loja online.

Também online, aqui:

BERTRAND | FNAC | SÍTIO DO LIVRO | WOOK/PORTOEDITORA

E em livrarias e outros pontos de venda:

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PICO

»» Artesanato Lajense ] Lajes

»» Espaço Talassa ] Lajes

»» Estação de Correios ] Lajes

»» Museu dos Baleeiros ] Lajes

»» Quiosque de Turismo ART (Forte de Santa Catarina) ] Lajes

»» Quiosque de Turismo ART ] Madalena

»» Tabacaria Tito’s ] Madalena

»» Quiosque de Turismo ART ] São Roque

FAIAL

»» Biblioteca Pública ] Horta

»» Estação de Correios ] Horta

»» Museu da Horta ] Horta

»» Peter Cafe Sport ] Horta

»» Quiosque de Turismo ART ] Horta

FLORES

»» Museu das Flores ] Santa Cruz

GRACIOSA

»» Museu da Graciosa ] Santa Cruz

»» Quiosque de Turismo ART ] Santa Cruz

SANTA MARIA

»» Museu de Santa Maria ] Vila do Porto

SÃO JORGE

»» Museu Francisco Lacerda ] Calheta

»» Quiosque de Turismo ART ] Velas

SÃO MIGUEL

»» Bilbioteca Pública e Arquivo Regional ] Ponta Delgada

»» Estação de Correios Antero de Quental ] Ponta Delgada

»» Livraria Gil ] Ponta Delgada

»» Livraria Solmar/Artes e Letras ] Ponta Delgada

»» Museu Carlos Machado ] Ponta Delgada

TERCEIRA

»» Estação de Correios ] Angra do Heroísmo

»» Livraria Infolio ] Angra do Heroísmo

»» Museu de Angra ] Angra do Heroísmo

»» Quiosque de Turismo ART ] Angra do Heroísmo

PORTUGAL CONTINENTAL

»» Lojas FNAC ] diversos locais

»» Livraria Dom Pepe ] Évora

»» Livraria Letra Livre ] Lisboa

»» Livraria Poetria ] Porto

»» Livraria Culsete ] Setúbal

Agradecemos que nos informem (para companhiadasilhas.lda@gmail.com) se em algum destes locais (online e físicos) não encontrarem alguma das nossas edições.

2 de Agosto de 2012

Uma noite de arromba na Time Out

Hugo Pinto Santos ontem,  1 de Agosto, na Time Out de Lisboa, sobre o FICAS A DEVER-ME UMA NOITE DE ARROMBA, do António Cabrita.

2 de Agosto de 2012

Poesia no Algarve