Archive for ‘Brasil’

26 de Novembro de 2014

Domingo brasileiro no Paralelo W

Capa_Maffei_REV2O poeta e ensaísta Gastão Cruz apresentou o livro de poemas “Signos de Camões”, do poeta brasileiro Luis Maffei (ed. Companhia das Ilhas, 2013).

CarlosA_Machado__CAPA2.inddO ensaísta brasileiro Maurício Sales Vasconcelos (Universidade de São Paulo), apresentou a antologia poética de Carlos Alberto Machado editada pela carioca Oficina Raquel, nº 7 da colecção Portugal 0 (zero), com selecção de Luis Maffei e prefácio de Maurício Sales Vasconcelos.

Aconteceu tudo no Domingo 23 de Novembro, no Paralelo W, em Lisboa.  Gastao apresenta signos de camoesMauricio apresenta antologia portugal zero

Anúncios
10 de Março de 2013

Entrevistas «Novos Livros» – Luis Maffei

Entrevista de JA Nunes Carneiro

1 – O que representa, no contexto da sua obra, o livro Signos de Camões?

R -Representa criar sentidos a partir da obra camoniana e perseguir novos entendimentos do que Camões escreveu – certa vez eu disse, numa entrevista, que escrevia, entre outros fitos, para entender melhor a poesia camoniana. Fantasiar Camões nos diversos signos zodiacais possibilita uma viagem por signos que vão além dos astros, mas que passeiam entre eles com a maior atenção. Isso permite que eu, como poeta, invista numa dicção tão própria quanto possível, cônscio, no entanto, de que não há idiomas assim tão pessoais.

Sempre gostei de brincar com a forma fixa, e neste livro faço-o de modo mais intenso, sem deixar o verso livre, ou melhor, plurimétrico. Signos de Camões é meu quinto livro de poemas; não sei se representa necessariamente uma viragem, mas é conjunto que, quero crer, revela com alguma eficácia o que quero experimentar em poesia.

read more »

6 de Fevereiro de 2013

Descobrir os livros por aí

NOVIDADES DE FEVEREIRO_150

Os livros de Fevereiro da Companhia das Ilhas já estão disponíveis nos Açores:  Ilha Terceira (Angra do Heroísmo: Livraria Infolio e Loja do Adriano; Praia da Vitória: Papelaria 96). Ilha do Faial (Horta: Loja do Telégrapho). Ilha de São Miguel (Ponta Delgada: Livraria Gil). Em breve estarão nas Lojas de Cultura da DRAC, Estações dos CTT e rede de Quiosques de Turismo da ART.

Na Madeira, na Livraria Esperança (Funchal).

No Continente: Lisboa (Livrarias Letra Livre e Pó dos Livros). Brevemente: Évora (Livraria Dom Pepe), Montemor-o-Novo (Livraria Fonte de Letras), Almada (Livraria Escriba), Porto (Livrarias Porto Editora). Um pouco por todo o lado: Lojas FNAC.

Online:

bertrand.pt

bookhouse.pt 

fnac.pt

sitiodolivro.pt

wook.pt

e aqui.

Boas leituras.

4 de Fevereiro de 2013

Pó dos Livros

po_dos_livros

Em Lisboa, os livros da Companhia das Ilhas contam com mais um lugar de partilha: a livraria Pó dos Livros (avenida Marquês de Tomar, 89). Já lá estão as novidades de Fevereiro:

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

Capa R_Lino_REV2

30 de Janeiro de 2013

Signos de Camões, de Luis Maffei

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

Acaba de sair o livro de Luis Maffei «Signos de Camões», já em distribuição pelas

livrarias do Continente e Regiões Atónomas dos Açores e Madeira.

Qual o signo de Camões? Luis Maffei, poeta brasileiro que ensina literatura portuguesa e tem em Camões a sua grande obsessão poética, não responde à irrespondível pergunta astrológica, mas, partindo de estímulo zodiacal, procura signos poéticos de Camões enquanto escreve os seus próprios. Leitura e escrita, reescrita e novidade, forma fixa e verso livro, astrologia e doze poemas: Signos de Camões.

Vai-se ao longe devagar,

onde paro é tudo perto;

se me deixas, movo incerto,

antes de poder chegar,

voo sem norte, pulso aberto.

Se te deitas, meu prazer,

pois deitada és alma pura,

todo o insípido esconjura;

trela em mim é te saber

tão contorno que procura.

Luis Maffei (Brasília, 1974)

Luis Maffei (Brasília, 1974)

Nasceu em Brasília, em 1974, mas sempre viveu no Rio de Janeiro. 

Escreveu os livros de poemas «A» (2006), «Telefunken» (2008), 38 círculos (2010) e «Pulsatilla» (2011). Como contista, é autor, com Nei Lopes e Maurício Murad, de «Contos da Colina – 11 ídolos do Vasco e sua imensa torcida bem feliz» (2012), além de co-organizador, e um dos doze autores, de «Extratextos 1 – Clarice Lispector, personagens reescritos» (2012).

Dirige a colecção «Portugal 0», para a editora Oficina Raquel (Rio de Janeiro), dedicada à literatura portuguesa contemporânea.

É Professor de Literatura Portuguesa do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense.

20 de Dezembro de 2012

Passagem pelo Rio

Pedro Eiras acaba de regressar do Rio de Janeiro, onde lançou a edição brasileira do romance Os Três Desejos de Octávio C., pela Oficina Raquel. O lançamento foi na Livraria Prefácio, em Botafogo, a 10 de Dezembro, com apresentação de Sofia Silva. Pedro Eiras participou ainda em diversos encontros com leitores, na Livraria Estação das Letras e na Educap (Complexo do Alemão), entrevistas na rádio (Rádio Metropolitana), e deu diversas palestras sobre literatura portuguesa (Universidades Federais de Viçosa, do Rio de Janeiro, e Fluminense). É também um dos autores do volume de contos Clarice Lispector, Personagens Reescritos, que a Oficina Raquel acaba de editar.

Pode ver mais aqui, aqui e aqui, por exemplo.

Pedro-Eiras-os-3-desejos_web

16 de Dezembro de 2012

Mostra Anual de Dramaturgia

A MAD – Mostra Anual de Dramaturgia é uma iniciativa anual do Teatro Art’Imagem – teve lugar o passado dia 15 no Auditório da Quinta da Caverneira, Maia. Nesta 4ª edição da MAD foram apresentados 9 textos vindos de Portugal e 3 do Brasil –  foram seleccionados para publicação na Revista Galega de Artes Escénicas NÚA n.º 7 por Jorge Palinhos, Julio Fernández e Zaida Gómez. Pela primeira vez esta iniciativa teve a colaboração dos grupos portuenses Astro Fingido, TEatroensaio, Terra na Boca/TTAMBOR, da Revista Núa e de vários actores profissionais, o que permitiu equacionar a iniciativa para os próximos anos e também estreitar laços efectivos entre a Galiza e o norte de Portugal.

MAD – Mostra Anual de Dramaturgia ’12 | Coordenação MAD: Jorge Palinhos, José Leitão e Jorge Louraço Figueira

# Procura por Mim Neste Diário O Resto Não Vale Nada de Maria Gil | Direcção de Leitura de Inês Leite | Leitura de Inês Garrido

# Ponho Palavras na Minha Cabeça de Carlos Alberto Machado | Direcção de leitura de Pedro Carvalho e Flávio Hamilton  | Leitura Pedro Carvalho e Flávio Hamilton e Daniela Pêgo

# O dia depois da Noite de Fernando Giestas | Direcção e leitura Miguel Rosas, Micaela Barbosa

# Quarto Absoluto de Ângela Carvalho Lopes | Direcção e leitura Ângela B. Marques, Fernando Morreira

# Circle Jerk de Cláudia Lucas Chéu | Direcção e leitura José Gonçalinho

# Personal Trainer de Luís Roberto Amabile | Direcção de Leitura de Luciano Amarelo | Leitura de Ágata Pinho, Carmo Cardoso, Vitor Furtado Silva – Figuração: Alexandra Ferreira, Cláudia Torres, Celestina Silva, Ernestina Amaro, Lea Caniço, Mafalda Salgueiro, Marta Vilela e Sérgio Águia

# Cenas Espantadas: Um Engano, Uma Espera e Uma Fuga de Isabel Fernandes Pinto | Direcção de Leitura de Valdema Santos | Leitura de Flávio Hamilton, Luciana Brandão e Valdemar Santos

# À Meia Noite, Estarei Perdida para o Mundo de Luís Mestre | Direcção e leitura de Daniela Pêgo e Manuela Moreira

# Já Esteve Mais Longe de Hélder Wasterlain | Direcção e leitura Ângela B. Marques, Fernando Morreira

# Teresa e o Aquário de Diones Camargo | Direcção de Leitura de Pedro Estorninho | Leitura de Inês Garrido, Guy Fawkes, C. M.

# Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo de Hudson Andrade | Direcção e leitura de Flávio Hamilton e Pedro Carvalho

 # Pedro e Inês (uma emenda inspirada por Camões) de Pedro Eiras | Direcção de Leitura de Julio Fernández | Leitura de Zaida Gómez

Revista NUA 7Depois do Natal, a revista NUA 7 estará à venda na livraria Poetria, no Porto, na livraria do Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, e na livraria do Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa. A revista está também a ser distribuída em Espanha e estuda-se a hipótese de a distribuir no Brasil.

26 de Agosto de 2012

CAM na Portugal zero, Brasil

Lido agora no blogue da editora Oficina Raquel, do Brasil: «A editora Oficina Raquel afirma-se cada vez mais como uma grande divulgadora da literatura portuguesa no Brasil. No contexto do Ano de Portugal no Brasil, que terá início em setembro de 2012, a Oficina editará quatro títulos. (…) Os outros dois títulos são de poesia: Carlos Alberto Machado e João Luís Barreto Guimarães, destacados poetas portugueses, dão continuidade, nos primeiros meses de 2013, à coleção Portugal, 0, coordenada pelo editor da Oficina e também professor de literatura portuguesa da UFF Luís Maffei. Desde 2007, Portugal, 0 edita no Brasil nomes destacados da poesia portuguesa recente, e já lançou, desde então, cinco títulos, o último dos quais dedicado à poesia do exitosíssimo valter hugo mãe. A coleção é sinal de que a Oficina Raquel se interessa pela literatura portuguesa há mais tempo que uma moda. Os livros editados no contexto do Ano de Portugal no Brasil pela Oficina têm apoio da DGLB, Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas.»

31 de Julho de 2012

Poesia Incompleta no Brasil

Retirado daqui, com a devida vénia:

A Livraria Poesia Incompleta, esse formidável empreendimento português unicamente dedicado a poesia — poesia do mundo inteiro, o que é ainda mais formidável — foi tema do ex blog  em janeiro, vá por aqui.

Nem deu tempo de ir a Lisboa conhecer a loja, sobre a qual soube com tanto atraso. No fim de março, suas portas foram fechadas,  sem dívidas mas destino incerto, como explicou Changuito, seu criador e faz-tudo, ao jornal  português “Público”, por aqui.

O leitor talvez  não saiba que Portugal, entre outros países da zona do euro, atravessa crise pesada. E o Brasil, talvez o leitor também não saiba, vai muito bem, como nos conta a imprensa estrangeira –ok, estamos ao menos melhorzinhos que antes, ou serei otimista?

A notícia, espero para publicá-la havia quatro meses e não é exagero, é que enquanto os fãs da livraria ficaram a lamentar seu fechamento no blog e mural do Facebook,  Changuito se mudava para o Rio de Janeiro. O endereço é a Lapa, o bairro dos arcos e das novelas de Glória Perez; por ora, um escritório, no médio prazo, uma loja inteira.

Changuito diz chegou com “uma tonelada” de livros.  Tonelada? Vieram em caixas? Como vai ser possível comprar? Já descobriu livros brasileiros? E, afinal, o que fazes no Brasil desde que chegou?

Changuito responde ao blog por e-mail: “Sim, é uma tonelada mesmo, não é metáfora. Caixas, sim, dentro de um avião, passaram por uma kombi, um apartamento e outra kombi. Oitenta por cento do que tinha em Lisboa.  Não tenho datas para a venda na net. Quem quiser comprar, quando eu começar, basta escrever para o mail, ir acompanhando o que eu mostro no blogue e no Facebook. Vou vender muita coisa brasileira. Não tenho vontade de fazer uma livraria portuguesa no Rio, pelo contrário. Cá, como lá, tentarei ter o maior número de idiomas possível. Quando fechei em Lisboa, se não me falha a memória, tinha mais de cinquenta línguas. A minha relação com o Brasil, seja a poesia, seja a música, seja o cinema, é, felizmente, bem antiga. Tenho sempre sorte de conhecer gente talentosa. Os de Portugal hão-de vir, por ar, mar, e todos os meios possíveis. No médio prazo o objectivo é encontrar um espaço físico térreo, para fazer uma livraria, digamos, mais pública. No longo prazo, comprar o Maracanã, acabar de ler Dostoiévski e decorar setenta e três por cento dos nomes dos frutos brasileiros. Não posso contar o que tenho andado a fazer, por estar ao serviço dos serviços secretos albaneses, de Kate Moss e da Nasa.” »

25 de Junho de 2012

Eiras na Folha

O livro Substâncias Perigosas, de Pedro Eiras, “autor da casa” publicado pela Livrododia em 2010, acaba de sair também no Brasil, pela Casa da Palavra. A Folha de São Paulo dedica a primeira página do suplemento Ilustrada ao acontecimento, e publica um texto inédito do Pedro. Mais informações aqui.

 

31 de Maio de 2012

Cabrita Telecom

António Cabrita, autor da casa!, foi anunciado ontem como um os 60 finalistas do Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2012 no Brasil.

O prémio, que completa dez anos em 2012,tem três categorias: romance; conto/crónica, e poesia. Por enquanto, são 20 indicados para cada categoria. Em Setembro, os 60 finalistas serão reduzidos a 12. A premiação será realizada em Novembro, em data e local ainda não definidos. Foram inscritos, inicialmente, 502 livros publicados no Brasil em 2011.

O vencedor de cada categoria ganha R$ 50 mil e pode ganhar mais R$ 50 mil, na última etapa, caso ele seja o melhor dos três vencedores: o Grande Prêmio Portugal Telecom 2012.  O júri das etapas finais é composto por Alcides Villaça, Antonio Carlos Secchin, Benjamin Abdala Júnior, Leyla Perrone Moisés, Manuel da Costa Pinto e Maria Esther Maciel. A curadoria é formada pela curadora-coordenadora e consultora literária da Portugal Telecom, Selma Caetano, pelo especialista em literatura brasileira, José Castello, pela especialista em literatura portuguesa, Madalena Vaz Pinto, e pela especialista em literatura africana, Tania Celestino de Macedo.

OS 20 FINALISTAS NA CATEGORIA ROMANCE:

A Maldição de Ondina, de António Cabrita (Associação Cultural Letra Selvagem)

A Máquina de Fazer Espanhóis, de Valter Hugo Mãe (Cosac Naify)

A Vendedora de Fósforos, de Adriana Lunardi (Rocco)

Diário da Queda, de Michel Laub (Companhia das Letras)

Dois Rios, de Tatiana Salem Levy (Record)

Domingos sem Deus, de Luiz Ruffato (Record)

Don Solidon, de Hélio Pólvora (Casarão do verbo)

Habitante Irreal, de Paulo Scott (Alfaguara)

Infâmia, de Ana Maria Machado (Alfaguara)

K., de Bernardo Kucinski (Expressão Popular)

Meu Pseudônimo e Eu, de Marco Guimarães (Octavo)

Minas do Ouro, de Frei Betto (Rocco)

O Passeador, de Luciana Hidalgo (Rocco)

O Senhor do Lado Esquerdo, de Alberto Mussa (Record)

Perdição, de Luiz Vilela (Record)

Poltrona 27, de Carlos Herculano Lopes (Record)

Procura do Romance, de Julián Fuks (Record)

Tapete do Silêncio, de Menalton Braff (Global)

Uma Duas, de Eliane Brum (Leya)

Vermelho Amargo, de Bartolomeu Campos de Queiróz (Cosac Naify)