Archive for ‘LIVRARIAS’

27 de Janeiro de 2015

PEÇA ROMÂNTICA PARA UM TEATRO FECHADO, de Tiago Rodrigues, no Teatro do Bairro (Lx)

PEÇA ROMÂNTICA PARA UM TEATRO FECHADO

de Tiago Rodrigues

Dias 31 Janeiro, 1 e 2 Fevereiro no Teatro do Bairro

 peca romantica espectaculo teatro do bairro

«Escrevi esta peça para oito loucos brasileiros durante quinze dias de ensaios, num projecto efémero e lindo chamado Companhia Provisória, que o No Lugar_ Teatro Ipanema organizou no Rio de Janeiro em 2013. Agora, são uns jovens loucos portugueses que decidiram, com quase nenhuns meios, dar vida a este textinho no palco do Teatro do Bairro, entre 31 de Janeiro e 2 de Fevereiro. Decididamente, esta “Peça Romântica para um Teatro Fechado” é um texto que atrai os seres mais desvairados. Deveria ser usado por psiquiatras de todo o mundo para diagnosticar loucos com talento.»

Tiago Rodrigues

Capa Tiago-Rodrigues-Peça-Rev1

«Num teatro fechado – fechado tanto literal como metaforicamente – um ex-casal (Clara e Fernando) tentam “fechar” a sua relação e remeter os restos da sua relação há muito terminada para o Museu Universal do Esquecimento. Mas nisto, as personagens como que se fragmentam e criam ecos falantes de si próprios.

Apercebemo-nos que estamos mais uma vez a discutir a natureza do acto de criar; e quando pensávamos que falávamos de relações, falávamos também de teatro – essa coisa também ela permanentemente encaminhada para as galerias do Museu Universal do Esquecimento.

É poder pensar que este texto pode voltar a abrir teatros.»

Rui Pina Coelho

 Texto editado pela Companhia das Ilhas.

Disponível em Lisboa nas Livrarias do Teatro Nacional D. Maria II, Letra Livre, Barata, Lx Factory e Pó dos Livros, na Galeria abysmo e nas Lojas FNAC.

26 de Novembro de 2014

Domingo brasileiro no Paralelo W

Capa_Maffei_REV2O poeta e ensaísta Gastão Cruz apresentou o livro de poemas “Signos de Camões”, do poeta brasileiro Luis Maffei (ed. Companhia das Ilhas, 2013).

CarlosA_Machado__CAPA2.inddO ensaísta brasileiro Maurício Sales Vasconcelos (Universidade de São Paulo), apresentou a antologia poética de Carlos Alberto Machado editada pela carioca Oficina Raquel, nº 7 da colecção Portugal 0 (zero), com selecção de Luis Maffei e prefácio de Maurício Sales Vasconcelos.

Aconteceu tudo no Domingo 23 de Novembro, no Paralelo W, em Lisboa.  Gastao apresenta signos de camoesMauricio apresenta antologia portugal zero

5 de Novembro de 2014

Paulo da Costa Domingos x 2

pcd a morte dos outros

29 de Outubro de 2014

Novo livro de Onésimo Teotónio Almeida em pré-lançamento na Solmar

Capa_Onesimo_REV5O novo livro de Onésimo Teotónio Almeida – MINIMA AZORICA. O MEU MUNDO É DESTE REINO – está a partir de hoje em pré-lançamento, em venda exclusiva na livraria Solmar, de Ponta Delgada.

O lançamento, com a presença do autor e contando com a apresentação de Vamberto Freitas, terá lugar no dia 11 de Dezembro, também na Solmar.

ONESIMO-FOTO-CONTRACAPA

A Companhia das Ilhas aceita desde já encomendas desta obra.

MINIMA AZORICA. O MEU MUNDO É DESTE REINO, Onésimo Teotónio Almeida

Edição 045 | colecção transeatlântico 012 | série especial 001

1ª edição (Novembro de 2014 – 500 exemplares)

ISBN: 978-989-8592-51-4

Formato: 14×22 cm

Páginas: 232

PVP: 15 euros.

 

20 de Outubro de 2014

OUTONO COMPANHIA DAS ILHAS

Em SETEMBRO, saímos com POESIA, UM DIA, livro que reúne poemas de Carlos Alberto Machado, Hélia Correia, Jaime Rocha, José Mário Silva, Margarida Vale de Gato e Miguel-Manso, criados durante as residências de escrita POESIA, UM DIA, da Biblioteca Municipal José Baptista Martins, de Vila Velha de Ródão.
Também neste mês oferecemos espaço à reflexão com CONJUNTO HOMEM, do jovem cientista (Instituto Albert Einstein, Suíça) e performer Jácome Armas: com recurso a ferramentas da ciência e da lógica formal, uma crítica às formas totalizantes de pensar o mundo.
Capa_Poesia_um_dia_REV2
JACOME_Capa_REV1Já neste mês de OUTUBRO, demos corpo a um novo projecto literário açoriano: a revista TRANSEATLÂNTICO que, como diz o seu director, Nuno Costa Santos, «quer incentivar a escrever, de modo ficcional ou ensaístico, sobre o que são os Açores hoje – nas suas novas entranhas. Nas suas personagens, nas suas tensões biográficas, nos seus sonhos e ilusões, nos seus conflitos e acidentes. Mas também nos seus costumes, nos seus pequenos hábitos e nas suas expressões verbais.» Participam neste número zero: Alexandre Borges, Bianca M, João Pedro Porto, Joel Neto, Leonardo, Luís Rego, Maria das Mercês Vasconcelos Pacheco, Mariana Matos, Mário T Cabral, Paula de Sousa Lima, Renata Correia Botelho, Rogério Sousa e Rui Jorge Cabral. A Leonor Sampaio cabe a apresentação. Daniel de Sá (1944-2013) é entrevistado por Nuno Costa Santos. Duarte Belo colabora com um portfolio fotográfico. Miguel Real é o escritor convidado. Vasco Medeiros Rosa apresenta Dispersos, de Vitorino Nemésio. Próximas apresentações: LISBOA, dia 3 de Novembro, na livraria FERIN; HORTA, 10 de Novembro, ANGRA DO HEROÍSMO, 11 de Novembro.
TA0_Capa_FinalNo dia 25 de Outubro, no TEATRO MERIDIONAL, em LISBOA, será apresentado o número 8 da colecção AZULCOBALTO | TEATRO, com dois textos: PARKING, de Jorge Palinhos, e DESMATERIALIZAÇÃO, de Tiago Patrício. Estas duas peças foram elaboradas no âmbito do Laboratório de Dramaturgia do Meridional. É uma co-edição Companhia das Ilhas/Teatro Meridional/ Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Capa_Meridional_REV2
Três obras marcam, de modos diferentes, o mês de NOVEMBRO. Em A MORTE DOS OUTROS reúnem-se finalmente em livro prosas dispersas que o poeta Paulo da Costa Domingos publicou nos anos 80-90 na imprensa periódica, sob a ideia estilística genérica de “apócrifos”, exercício literário em que, com a necessária humildade e sem ilusões, são imitados autores como Vincent Van Gogh, Andrei Tarkovskii, Arsenii Tarkovskii, Jorge Luis Borges, Mikahil Bakunine, Carlos de Oliveira e Vitorino Nemésio. Ou talvez não… Será apresentada em LISBOA, na 2ª quinzena de Novembro.

MORTEcapFinal:Apresentação 1.qxd

Em TEATRO REUNIDO (2000-2010), de Carlos Alberto Machado, juntam-se 13 peças de diferentes matizes. Algumas delas foram encenadas, quer pelo próprio autor (AQUITANTA e RESTOS. INTERIORES), quer por companhias profissionais e agrupamentos de amadores: Teatro o bando, Companhia de Teatro de Almada, CITAC ou Passagem de Nível, entre outros. O volume será apresentado na segunda quinzena de Novembro, em LISBOA, ÉVORA, COIMBRA e PORTO, assinalando os 60 anos do dramaturgo.

Capa_Teatro Reunido_REV2
De Onésimo Teotónio Almeida, professor catedrático na Brown University (Providence, Rhode Island, EUA), autor de uma extensa obra ensaística e ficcional, publicamos MINIMA AZORICA. O MEU REINO É DESTE MUNDO: uma recolha de textos dos últimos vinte e cinco anos, na sequência de AÇORES, AÇORIANOS, AÇORIANIDADE (1989) prolongando reflexões e abrindo espaço para outras. A obra será apresentada pelo autor e convidados em 4 ilhas do arquipélago dos Açores, em DEZEMBRO – FAIAL (a 8), PICO (a 9), TERCEIRA (a 10) e S. MIGUEL (a 11) –, entre 8 e 11 de Dezembro próximo. Em LISBOA, no próximo ano (6 de FEVEREIRO).

Capa_Onesimo_REV5

5 de Março de 2014

Mal Dito: poesia em Coimbra, com a Companhia das Ilhas

A Companhia das Ilhas vai estar presente no Mal Dito – festival de poesia em Coimbra 2014 (Março, 20-23). Quinta-feira 20, pelas 19 horas, Osvaldo Silvestre apresenta o livro de micro-ensaios O EXERCÍCIO DA VIOLÊNCIA, de Helder Gomes Cancela, obra que inaugura a colecção terceira margem.

Sexta-Feira 21, Dia Mundial da Poesia, pelas 17.30 horas, presença de poetas editados pela Companhia das Ilhas. Apresentação dos novos livros RANÇO, de Jorge Aguiar Oliveira, e NA LUZ INCLINADA, de Nuno Dempster (ambos na colecção azulcobalto | poesia).

As duas iniciativas terão lugar na Livraria Antiquário Miguel de Carvalho.

Os livros de poesia da Companhia das Ilhas estarão presentes na Feira do Livro de Poesia do festival.

Mal Dito 2014

10 de Abril de 2013

Às vezes é um insecto que faz disparar o alarme

Capa_Nuno-Costa-Santos_As vezes e um insecto_bxÀs vezes é um insecto que faz disparar o alarme, um poema de Nuno Costa Santos, do livro com o mesmo nome, editado pela Companhia das Ilhas, foi escolhido para integrar a antologia Resumo – a poesia em 2012, obra com poemas escolhidos pelos poetas Armando Silva Carvalho, José Alberto Oliveira  e Manuel de Freitas, e pelo jornalista Luís Miguel Queirós (edição Documenta/FNAC).

read more »

1 de Abril de 2013

Mulher com cântaro na Paralelo W

mulher com cantaro jaime rocha

15 de Março de 2013

Livreira “esmurrada”

In folio livraria«Num pequeno pacote, com outros dois títulos, chegou pela manhã. Gosto de jogos de referências, de literatura dentro de literatura, e o título, que também é o de um poema do Kipling que julgava esquecido, surpreendeu-me. Assim, feito o trabalho técnico e antes das arrumações, peguei neste volumito e li-o. Poemas curtos, incomodativos, de uma violência que nos atinge no estômago, também na alma (se ela existir e nos habitar), e que me reenvia para o que sempre sinto quando olho os quadros da Paula Rego.
Literatura também é esta capacidade para sacudir e incomodar.»

[ daqui ]

Capa Madalena C Campos_REV2

 

 

4 de Março de 2013

Patraquim sobre Pinto de Sá

OS FILHOS DE MUSSA MBIKI

Nada se recomenda neste nóvel escritor: «abandonou muito jovem os estudos e vagueou durante sete anos pela Europa, exercendo as mais variadas profissões». Sete anos de pastor a servir Raquel, urbana bela. As do amor infinito enquanto dura, como queria Vinicius. E a ilustrar-se, num on the road cosmopolita, encalhado na Europa, ancorado em Moçambique. Acusado de vagabundagem, o poeta russo Joseph Brosdky foi preso e depois expulso da União Soviética. José Pinto de Sá vagueou e vagueia pelos admiráveis caminhos de si e do mundo a que se sente ligado. É um felino. Ao menor sinal de vida pulsante, agónica que seja, José Pinto de Sá está presente, envolve-se. Embora tudo já pareça fora de moda, o autor de Os Filhos de Mussa Mbiki é um existencialista que sabe, a espaços, precaver-se e reflectir na «arrière boutique» que Montaigne aconselhava. Mas não acha, citando a famosa frase, que o inferno sejam os outros. E a sua náusea deriva de um imperativo ético e de dignidade, sem maniqueísmos de nenhuma espécie. Por isso escreve, escreveu sempre.

read more »

6 de Fevereiro de 2013

Descobrir os livros por aí

NOVIDADES DE FEVEREIRO_150

Os livros de Fevereiro da Companhia das Ilhas já estão disponíveis nos Açores:  Ilha Terceira (Angra do Heroísmo: Livraria Infolio e Loja do Adriano; Praia da Vitória: Papelaria 96). Ilha do Faial (Horta: Loja do Telégrapho). Ilha de São Miguel (Ponta Delgada: Livraria Gil). Em breve estarão nas Lojas de Cultura da DRAC, Estações dos CTT e rede de Quiosques de Turismo da ART.

Na Madeira, na Livraria Esperança (Funchal).

No Continente: Lisboa (Livrarias Letra Livre e Pó dos Livros). Brevemente: Évora (Livraria Dom Pepe), Montemor-o-Novo (Livraria Fonte de Letras), Almada (Livraria Escriba), Porto (Livrarias Porto Editora). Um pouco por todo o lado: Lojas FNAC.

Online:

bertrand.pt

bookhouse.pt 

fnac.pt

sitiodolivro.pt

wook.pt

e aqui.

Boas leituras.

4 de Fevereiro de 2013

Pó dos Livros

po_dos_livros

Em Lisboa, os livros da Companhia das Ilhas contam com mais um lugar de partilha: a livraria Pó dos Livros (avenida Marquês de Tomar, 89). Já lá estão as novidades de Fevereiro:

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

colecção transeatlântico 004 | poesia | 44 páginas | €6,45

Capa R_Lino_REV2

30 de Janeiro de 2013

Esperança

LIVRARIA ESPERANÇA, FUNCHAL

LIVRARIA ESPERANÇA, FUNCHAL

Os livros da Companhia das Ilhas já viajaram até à Madeira, mais concretamente para a Livraria Esperança, onde se foram juntar às dezenas e dezenas de milhar (ou “dezenas de milhares”, porque os gramáticos não se entendem…) de livros desta mítica livraria madeirense.

 

13 de Janeiro de 2013

E o paraíso aqui tão perto

Hay-on-WyeNo início de sessenta, o livreiro Richard Booth instalou-se com cerca de 3 mil livros de bolso em Hay-on-Wye, uma pequena cidade entre a Inglaterra e o País de Gales, com menos de mil habitantes. Declarou a “independência” da cidade, coroou-se “rei” e com isso atraiu milhares de visitantes de todo o mundo. Hoje, a cidade tem mais de duas dezenas de livreiros-antiquários e calcula-se que no seu perímetro estejam disponíveis mais de um milhão de livros – a segunda maior concentração do mundo de livros usados e antigos. Eventos de todo o tipo, a maioria deles relacionada com livros, atrai milhões de visitantes a uma cidade que actualmente não ultrapassa os mil e quinhentos habitantes.

2 de Janeiro de 2013

Papelaria 96 e Loja do Adriano com a Companhia das Ilhas

Manuel_Tomas_WEBAs nossas edições estão em mais duas

Lojas da Região Autónoma dos Açores

a PAPELARIA 96, na Praia da Vitória (Terceira)

Papelaria 96

e a LOJA DO ADRIANO, em Angra do Heroísmo (Terceira)

Loja do Adriano

Aproveite para adquirir um dos nossos livros

ou um caderno de notas QuickTour

mesmo que não seja Natal

 Capa Mario-CabralCapa Carlos-Alberto-Machado