Fiama Hasse Pais Brandão – poemas (003)

AS NOITES

Nas noites insones, tudo o que

sabemos trazido por palavras

perdeu o seu sentido no infinito

caos da insónia. Não são vocábulos

porque não soam ou ecoam.

 

Nemo são nomes, porque os nomes

aceitam ser separados, na vigília,

em sinais simples, infiéis, das coisas.

Oh! eterna matéria em fermentação!

Obra Breve. Poesia reunida. Lisboa. Assírio & Alvim. 2006.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s