Eduarda Chiote – poemas (001)

CORAÇÃO ARDOR DE CÉU E ESGOTO

Ah! que tumultuosas experiências transporto

em meu coração!

Assim não fora e não transbordaria

ora de violentos impulsos ora de doces hesitações,

que não entende ardor

pois vestes rasga e se cobrindo inverno.

Amo o que perco

e o cântico de jaspe em minha boca

conhece abundantemente

céu e esgoto.

Não sabendo desistir quanto mais lutar,

de que serve, no deserto,

o espantalho de duas crianças completamente loucas?

Ainda se pudesse fixar-me mais demoradamente

numa sem prejuízo de outra,

mas não

que a fidelidade de esposo rivaliza com a traição

de amante

e me deixando sem alívio ou escolha.

Branca Morte. Lisboa. & etc. 1994.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s