Joaquim Manuel Magalhães – poemas (001)

TRIBUTAÇÃO

Nem defendidos nem governados

que podemos opor à coesão

pequeno-burguesa? O mal?

Um cemitério urbano de rurais

vota numa autarquia afim.

As maiorias: a auto-estrada,

a parabólica, a reprodução.

Existe um primeiro direito:

todo o bem do seu país.

A que se junta o de sofrer

todos os cimos do seu erro.

A chave da porta explodiu.

E há poemas que não têm caspa

nem engordam com os anos.

Uma luz com um toldo vermelho. Lisboa. Presença. 1990.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s